12
abr
07

Amante da Algazarra

Não sou eu quem dá coices ferradurados no ar.
É essa estranha criatura que fez de mim seu encosto.
É ela!!!
Todo mundo sabe. Sou uma lisa flor de pessoa,
Sem espinho de roseira nem áspera lixa de folha de figueira.
Esta amante de balburdia cavalga encostada ao meu sóbrio ombro
Vixe!!!
Enquanto caminho a pé, pedestre – peregrino, atônito até a morte.
Sem motivo nenhum de pranto ou angustia rouca, ou desalento:
Não sou eu quem dá coices ferradurados no ar.
É essa estranha criatura que fez de mim seu enconto.
E se apossou do estojo de minha figura e dela expeliu o estofo.
Quem corre desabrida
Sem ceder a concha do ouvido
A ninguém que ela discorde
É esta
Selvagem sombra acavalada que faz versos como quem morde.

Waly Salomão
Anúncios

0 Responses to “Amante da Algazarra”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


pedro:

colunas

www.pedrotourinho.me

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: