25
mar
08

a pausa, a febre, o dinheiro e meu ego


a relação das pessoas com a escrita nada tem a ver com a relação das pessoas com a leitura. acredito que são coisas totalmente diferentes.

estou lendo pausadamente um dos livros mais metalinguisticos que já pude por as mãos: o “livro do desassossego” de Fernando Pessoa. o livro é um blog.

nele o autor, através de mais um de seus heteronimos, descreve seu desassossego e sua relação com a escrita. “escrevo o que sinto para curar a febre do sentir.” todo o texto é a descrição confessa e dessecada do desassossego que leva um artista a produzir sua obra.

quase sempre a escrita tem para mim também esta função terapêutica. escrevo quase diariamente para curar minha febre do sentir. escrevo, mas não publico. divido as palavras com a pasta de drafts do meu blog e com as poucas pessoas com quem troco mensagens eletrônicas como theo e vincent trocavam cartas.

eu acho o máximo quando lembro de joão ubaldo ribeiro dizendo o que o leva a escrever: “como muitos escritores eu escrevo por dinheiro. eu sempre admirei quem vive do prazer de escrever, mas o fato de escrever por dinheiro não quer dizer que eu não tenho talento ou que a obra seja ruim.” muita gente escreve por dinheiro, mas poucos ganham bem para fazer literatura.

durante os últimos meses alimentei a expectativa de me tornar escritor. de viver da escrita.

alimentar este objetivo nobre não é o problema- acho inclusive que meu fim será esse – mas estou cada vez mais convicto de que, a não ser que o sujeito seja comunista ou que o desassossego não tenha lhe dado outra alternativa, é impossível ser escritor e viver bem ou mal da literatura aos 27 anos. portanto, nada de pressa.

quando não escrevo pela paz de espírito, escrevo para entreter. nessa modalidade o único que se beneficia com isso, além dos leitores, é ele – o meu ego. que agradece bastante. o que nao é nada mais justo visto que nesses casos ele também é o autor, como um heterônimo de fernando pessoa, e os textos não são nada além de conficções – gritos e sussurros de alguém que não eu.

neste blog tudo que vocês conseguiram ler e entender foi feito para entreter, e é de autoria dele. dos poucos textos realmente meus que publiquei 80% dos leitores disse não ter entendido e 20% acha que entendeu. (este por exemplo, foi escrito por nosso amigo.)

escrevemos tudo isto para dizer que, como a maioria de vocês já deve ter percebido, nós fomos obrigados a dar uma pausa no blog para curar a febre do sentir e poder voltar a entreter, escrever coisas legais – e quem sabe um dia, tirar algum dinheiro disso.

voltaremos em breve

.
Anúncios

0 Responses to “a pausa, a febre, o dinheiro e meu ego”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


pedro:

colunas

www.pedrotourinho.me

Arquivos


%d blogueiros gostam disto: